quinta-feira, 28 de março de 2013

A dor dos dias

Amanhã, na verdade hoje, será um dia difícil e estou a evitar pensar nele.

Faço de tudo, como tenho feito nos últimos tempos, para pensar em tudo, menos no que aí vem.

Até me lembrei de ti - R. Ando às voltas com os teus mails, a rele-los e a rir-me enquanto nos recordo. Há tanto, mas tanto tempo que não falávamos que já me tinha esquecido do que fomos.

Sei que fui dura contigo, mas olho para trás, e sei que desperdicei uma vida contigo - sempre pronta e disponível para os teus caprichos. À espera de uma ação/reação tua. De certo modo, esperançosa e crente. Sobretudo crente, de que eu era tão importante para ti, como tu para mim. Mas, nada era mais falso.

O grito de Ipiranga, ainda me faz doer. Tenho conseguido estar bem, apesar de tudo. Suporto a tua ausência com tristeza e, não nego, o vazio que ficou.

Em fevereiro, ainda tive a tentação de voltar atrás e correr para os teus braços. Mas, és tão bronco. Lembraste de quando me disseste isso, "sou tão bronco"? Foi logo depois de nos conhecermos, e nesse tempo, não tinhas ainda as manias que hoje tens.

Sou tão fraca. Por estar mais frágil, hoje, lembro-me de ti, a cada instante.

Mas, também sou forte. Vais ver que sou.

1 comentário:

  1. É exactamente essa atitude que temos de ter!

    Honra e orgulho!

    Força!

    ResponderEliminar